Ortopedia Dento-Facial

Ortopedia Dentofacial

Quando se ouve a palavra Ortodontia associa-se a aparelhos e a alinhamento dos dentes. No entanto, existe uma área muito importante na Ortodontia focada na posição e dimensão dos ossos da face. É a Ortopedia Dento Facial. À medida que a criança cresce, tanto a maxila quanto a mandíbula crescem em três dimensões. Este crescimento determina o posicionamento final da porção média e da porção inferior da face.

Contudo, quando são detetados desequilíbrios esqueléticos e musculares em crianças e adolescentes, é a Ortopedia Dento Facial que entra em ação para arranjar soluções contra estas alterações, numa fase precoce. E o porquê de resolver estes problemas precocemente? Porque, em muitos casos, esperar que todos os dentes permanentes irrompam ou até o crescimento facial estar completo pode tornar a correção destes problemas mais difícil ou até limitada. No fundo, o que se pretende em intercetar o problema em fase precoce é normalizar a relação entre as bases ósseas que albergam os dentes.

Embora, para os pais, não é fácil reconhecer se o filho precisa de um tratamento deste tipo mas existem sinais que podem indicar a presença de alterações no crescimento e desenvolvimento da face os quais passamos a enumerar.

7 sinais que podem ajudar a identificar alterações nos maxilares:

  1. Respirar pela boca;
  2. Dificuldade em mastigar ou morder alimentos;
  3. Persistência de hábitos de sucção do dedo ou chupeta;
  4. Dentes tortos, fora do lugar ou muito projetados para a frente;
  5. Alterações na fala;
  6. Perda precoce de dentes de leite (por ex.: cárie) ou retenção prolongada dos dentes de leite;
  7. Falta de proporção dos maxilares com o resto da face (ex.: queixo grande).

Assim, mediante o problema diagnosticado pode ser prescrito um plano de tratamento. Isto é, com 1 ou mais aparelhos, fixos ou removíveis que irão manipular o crescimento/desenvolvimento facial das bases ósseas.


Os resultados diretos deste tipo de tratamentos são as correções das alterações esqueléticas e funcionais, seja:
  • Guiando o nascimento dos dentes permanentes para a posição correta;
  • Controlando a largura das arcadas dentárias, evitando ou corrigindo mordidas cruzadas;
  • Adquirindo mais espaço para dentes apinhados (tortos);
  • Evitando a necessidade de extração de dentes permanentes no futuro.

E, indiretamente, acaba-se por obter melhoras noutros elementos do sistema estomatognático, nomeadamente na eficiência mastigatória, na deglutição, na respiração e na fala.

No entanto, nem todos os casos têm de ser alvo de um tratamento intercetivo antes da troca de todos os dentes de leite mas, todos devem ser monitorizados e, quando indicado, devem ser tratados.
Por isso é importante que os pais tragam os seus filhos para uma avaliação ortodôntica a partir dos 6/7 anos de idade e que mantenham consultas de monitorização durante o crescimento.

QUERO MARCAR CONSULTA

Leave comment